Músculos do Tronco

 

 

O tronco pode ser estudado separadamente em: Dorso, Nuca, Tórax, Abdome, Pelve e Períneo. Nesta seção estudaremos os músculos do dorso e todas as suas peculiaridades. As demais regiões citadas estão divididas em outros capítulos que podem ser acessados no menu principal. Os músculos da pelve e do períneo serão estudados juntamente com sistema urogenital, ficando seu estudo mais completo e funcional.

 

 

Músculos do Dorso

O dorso corresponde a região posterior do tronco e se estende desde a nuca até o cóccix, a coluna vertebral e as costelas formam seu esqueleto ósseo, onde estarão fixados os diversos músculos dessa região. Existem, nessa região, dois polígonos anatômicos formados basicamente por músculos que devem ser estudados nesta seção. São eles: o trígono de Petit e o Tetrágono de Krause.

 

Trígono de Petit

Também conhecido como trígono lombar foi descrito por Jean-Louis Petit (1674-1750), anatomista e cirurgião francês que descreveu na região lombar esse espaço susceptível à hérnia. O trígono de Petit está localizado na parte inferior e lateral da região lombar, é limitado inferiormente pela crista ilíaca, lateralmente pela borda posterior do m. oblíquo externo do abdome e medialmente pela borda anterior do m. latíssimo do dorso.

 

 
 

Tetrágono de Krause

Também conhecido como tetrágono lombar ou espaço de Grynfeltt. A forma deste espaço é muito variável e quando a 12º costela é curta ele adquire forma de triangulo. É um ponto relativamente fraco da região dorsal susceptível de hérnia. Está delimitado medialmente pelo m. ilicostal do lombo, superior e medialmente pelo m. serrátil posterior inferior, superior e lateralmente pela 12º costela e inferior e medialmente pela borda posterior do m. oblíquo interno do abdome. Encontramos no seu interior a origem aponeurótica do m. transverso do abdome.

 

 

 

 

 

 

 

Músculos do dorso, camada superficial – vista posterior

 

 

Músculos do dorso após remoção do M. trapézio e ampla remoção da camada superficial esquerda – vista posterior

 

 

Músculos do dorso após remoção da aponeurose toracolombar – vista posterior

 

 

Músculos do dorso, camada profunda – vista posterior

 

 

Músculos do dorso após remoção de todos os músculos superficiais – vista posterior

 

 

 

 

Músculo Trapézio

É um músculo amplo, plano e triangular. Em latim trapezius. Recebe este nome por seu formato. Estende-se desde o osso occipital até a 12º vértebra torácica revestindo, desta forma, a parte posterior do pescoço, superior e dorsal dos ombros e parte superior do dorso.

Origem: Processos espinhosos da C4 a C7 e de T1 a T12

Inserção: Terço externo da borda posterior da clavícula, Acrômio e borda interna da espinha da escápula.

Inervação: Nervo acessório (XI)

Ação: Elevação e adução da escapula.

 

Músculo Levantador da Escápula

É um músculo cilíndrico alargado que se situa na região lateral e posterior do pescoço, estando recoberto pelo m. trapézio.

Origem: Tubérculos posteriores dos processos transversos das quatro primeiras vértebras cervicais.

Inserção: Ângulo superior da escápula.

Inervação: Nervo dorsal da escápula.

Ação: Eleva o ângulo superior da escápula. Puxa o pescoço lateralmente quando a escápula está fixada.

 

Músculo Rombóide Maior

É plano e quadrangular. Está situado na parte superior do dorso, entre as escápulas e é recoberto pelo m. trapézio.

Origem: Processos espinhosos de T2 a T5

Inserção: Bordo medial da escápula.

Inervação: Nervo dorsal da escápula

Ação: Adução da escapula

 

Músculo Rombóide Menor

De uma maneira geral seus limites de diferenciação com o m. rombóide maior são imprecisos e suas fibras por vezes se misturam. Está situado no mesmo plano, porém superior ao m. rombóide maior.

Origem: Processos espinhosos da C7 a T1

Inserção: Borda medial da escapula.

Inervação: Nervo dorsal da escápula

Ação: Adução e levantamento da escapula

 

Músculo Serrátil Anterior

É um músculo delgado e quadrangular, situado na parede latero-posterior da caixa torácica, recobrindo as costelas e em sua parte posterior é recoberto pela escápula.

Origem: Através de digitações nas 9 primeiras costelas

Inserção: Angulo superior e inferior da escapula e borda medial da escapula.

Inervação: Nervo torácico longo

Ação: Abdução da escapula e fixa-a junto ao corpo Auxilia na inspiração elevando as costelas

 

Músculo Grande Dorsal

É plano e amplo, tem formato triangular. Recobre a recobre a região lombar e posterior da parte inferior do tórax, correndo em direção ao úmero. Em latim latíssumus dorsi. Também é conhecido com latíssimo do dorso.

Origem: Fáscia toracolombar, processos espinhosos de T2 a L5 e face dorsal do sacro e crista ilíaca

Inserção: Crista do tubérculo menor do úmero

Inervação: Nervo toracodorsal

Ação: Adução, extensão e rotação medial do braço.

 

Músculo Serrátil Posterior Superior

É um músculo plano, quadrangular e bastante delagado. Está recoberto pelo m. rombóide maior e se estende desde as primeiras vértebras torácicas até espáduas.

Origem: Processos espinhosos de C6 a T3

Inserção: 2ª a 5ªcostelas lateralmente aos ângulos costais.

Inervação: Nervo cervical C6 até o nervo torácico T12

Ação: Elevação da 2 ª a 5ª costelas, auxilia a inspiração.

 

Músculo Serrátil Posterior Inferior

Possui grande porção aponeurótica, também é plano e muito delgado. Está situado na região lombar, é recoberto pelo m. grande dorsal.

Origem: Fascia tóracolombar. Processos espinhosos de L1 a L3

Inserção: Quatro ultimas costelas,lateralmente aos ângulos costais.

Inervação: Nervo torácico T11 até o nervo lombar L2

Ação: Abaixa as três ultimas costelas, auxilia a expiração.

 

Músculo Iliocostal Lombar

Situado no sulco paravertebral é largo e robusto em sua base e diminui gradativamente de volume conforme sobe para região cervical.

Origem: Face dorsal do osso sacro e lábio externo da crista ilíaca.

Inserção: 5ª a 12ªcostelas.

Inervação: Ramos dorsais dos nervos lombares

Ação: Extensão da coluna vertebral, quando ativas de um lado só fazem flexão lateral. Ajudam na manutenção da postura ereta

 

Músculo Iliocostal Torácico

É a continuação do m. iliocostal na região torácica.

Origem: 12ª a 7ª costelas

Inserção: 6 primeiras costelas e processo transverso de C7

Inervação: Ramos dorsais dos nervos torácicos

Ação: Extensão da coluna vertebral Ajudam na manutenção da postura ereta

 

Músculo Iliocostal Cervical

Nessa porção o m. iliocostal torna-se profundo e muito delgado.

Origem: Da 3° a 7° costelas

Inserção: Processos transversos de C4 a C6

Inervação: Ramos dorsais dos nervos cervicais.

Ação: Extensão da coluna vertebral, quando ativos de um só lado fazem flexão lateral. Ajudam na manutenção da postura ereta.

 

Músculo Longuíssimo do Tórax

Está situado na goteira paravertebral, entre o m. iliocostal e o m. espinhal. Suas fibras se confundem com as fibras desses músculos na região lombar onde elas possuem maior características aponeuróticas.

Origem: Face dorsal do sacro, processos espinhosos de L5 a T12

Inserção: Processo acessório das vértebras lombares superiores. Processos transversos das vértebras torácicas. Processos costais das vértebras lombares superiores e em todas as costelas.

Inervação: Ramos dorsais dos nervos torácicos

Ação: Extensão da coluna vertebral, quando ativos de um só lado fazem flexão lateral. Ajudam na manutenção da postura ereta.

 

Músculo Longuíssimo do Pescoço

É plano e delgado, está situado entre o m. semiespinhal da cabeça e o linha nucal.

Origem: Processos transversos das T1 a T5

Inserção: Processos transversos de C2 a C5

Inervação: Ramos dorsais dos nervos cervicais.

Ação: Extensão da coluna vertebral, quando ativos de um só lado fazem flexão lateral. Ajudam na manutenção da postura ereta.

 

Músculo Longuíssimo da Cabeça

Está situado abaixo do m. esplênio da cabeça, suas fibras cilíndricas possuem grande robustez.

Origem: Processos transversos de T3 a C3

Inserção: Processo mastóide do osso temporal.

Inervação: Ramos dorsais dos nervos cervicais.

Ação: Extensão da coluna vertebral, quando ativos de um só lado fazem flexão lateral. Ajudam na manutenção da postura ereta.

 

Músculo Esplênio do Pescoço

É um músculo plano e quadrangular que está situado abaixo do m. serrátil póstero-superior.

Origem: Ligamento nucal e processos espinhosos de C3 a T3

Inserção: Linha nucal superior e processo mastóideo do osso temporal.

Inervação: Ramos dorsais dos nervos cervicais de C1 a C5

Ação: Extensão da cabeça e do pescoço (contraindo ambos os lados) e rotação da cabeça para o mesmo lado (contraindo de um só lado)

 

Músculo Esplênio da Cabeça

Também é um músculo plano e quadrangular, porem mais robusto que o m. esplênio do pescoço. Está recoberto parcialmente pelo m. trapézio, faz pequeno contato com a fáscia subcutânea.

Origem: Processos espinhosos de T6 a C3

Inserção: Tubérculos posteriores dos processos transversos de C1 a C3

Inervação: Ramos dorsais dos nervos cervicais C1 a C5

Ação: Extensão da cabeça e do pescoço (contraindo de ambos os lados) e rotação da cabeça para o mesmo lado (contraindo de um só lado)

 

Músculo Espinhal do Tórax

É a continuação do m. sacroespinhal. Esta intimamente unido ao m. semiespinhal do tórax.

Origem: Processo espinhoso de T11 a L2

Inserção: Processos espinhosos de T3ª a T9

Inervação: Ramos dorsais dos nervos torácicos

Ação: Extensão da coluna vertebral, quando ativos de um só lado fazem flexão lateral. Ajudam na manutenção da postura ereta.

 

Músculo Espinhal do Pescoço

É um músculo inconstante, nem todos os indivíduos o possuem. É um músculo de difícil identificação.

Origem: Processo espinhoso de C6 a T3

Inserção: Processos espinhosos da C2 a C4

Inervação: Ramos dorsais dos nervos cervicais

Ação: Extensão da coluna vertebral, quando ativos de um só lado fazem flexão lateral. Ajudam na manutenção da postura ereta.

 

Músculo Espinhal da Cabeça

Suas fibras se misturam com as fibras do m. semiespinhal da cabeça de tal forma que se torna difícil distinção de ambos.

Origem: Processo espinhoso de C6 a T2

Inserção: Entre as linhas nucais superior e inferior.

Inervação: Ramos dorsais dos nervos cervicais

Ação: Extensão da coluna vertebral, quando ativos de um só lado fazem flexão lateral. Ajudam na manutenção da postura ereta.

 

 

 

Musculatura Profunda do Dorso

 

Músculos Levantadores das Costelas

Podem ser divididos em curtos e longos. Em numero de doze de cada lado, são constituídos de delgados feixes músculo-tendinosos. Unem o processo transverso das vértebras as costelas.

Origem: Processos transversos de T11 a C7

Inserção: Da 1° a 12° costelas

Inervação: Ramo dorsal nervo cervical C8 e ramos dorsais dos nervos torácicos

Ação: Elevam as costelas; flexão lateral e rotação da coluna vertebral.

 

Músculos Interespinhais Lombares

Origem: Processo espinhoso da vértebra supra-adjacente

Inserção: Processo espinhoso da vértebra infra-adjacente

Inervação: Ramos dorsais dos nervos lombares

Ação: Extensão da coluna vertebral

 

Músculos Interespinhais Torácicos

Ação: Extensão da coluna vertebral

Inervação: Ramos dorsais dos nervos intercostais

Origem: Processo espinhoso da vértebra supra adjacente Inserção: Processo espinhoso da vértebra supra adjacente.

OBS: De um modo geral encontramos três fases de músculos.

  1º par: Entre os processos espinhosos de T1 e T2  
  2º par: Entre os processos espinhosos de T2 e T3  
  3º par: Entre os processos espinhosos de T11 e T12  

 

Músculos Intertransversais Cervicais

Origem: Processo espinhoso da vértebra supra-adjacente

Inserção: Processo espinhoso da vértebra infra-adjacente

Inervação: Ramos dorsais dos nervos espinhosos de C2 a C8

Ação: Extensão da coluna vertebral

 

Músculos Intertransversários Lombares Laterais

Origem: Processos costais das vértebras lombares

Inserção: Processos costais das vértebras lombares

Inervação: Ramos dorsais e ventrais dos nervos espinhais

Ação: Extensão da coluna vertebral (contraindo ambos os lados) e inclinação lateral (contraindo um só lado)

 

Músculos Intertransversários Lombares

Origem: Processos mamilares das vértebras lombares.

Inserção: Processos mamilares acessórios das vértebras lombares.

Inervação: Ramos dorsais e ventrais dos nervos espinhais

Ação: Extensão da coluna vertebral (contraindo ambos os lados) e inclinação lateral da coluna (contraindo um só lado)

 

Músculos Intertransversários Torácicos

Origem: Nos processos transversos das vértebras torácicas.

Inervação: Ramos dorsais e centrais dos nervos espinhais.

Ação: Extensão da coluna vertebral (contraindo ambos os lados) e inclinação lateral da coluna (contraindo um só lado)

 

Músculos Intertransversários Posteriores do Pescoço

Origem: Tubérculos posteriores de C1 a C6

Inserção: Tubérculos posteriores C2 a C7

Inervação: Ramos ventrais e dorsais dos nervos cervicais

Ação: Extensão da coluna vertebral (contraindo de ambos os lados) e inclinação da coluna vertebral (contraindo de um só lado)

 

Músculos Intertransversários Anteriores do Pescoço

Origem: Tubérculos anteriores de C1 a C6

Inserção: Tubérculos anteriores de C2 a C7

Inervação: Ramos ventrais e dorsais dos nervos espinhais

Ação: Extensão da coluna vertebral (contraindo de ambos os lados) e inclinação da coluna vertebral (contraindo de um só lado)

 

Músculos Rotadores

São músculos pequenos e relativamente curtos, que se estendem por toda a coluna vertebral desde o sacro a te o Áxis.

Origem: Processos transversos das vértebras torácicas, processo mamilar das vértebras lombares e processo articular das vértebras cervicais

Inserção: Processo espinhoso da vértebra supra adjacente

Inervação: Ramos dorsais dos nervos cervicais

Ação: Extensão da coluna vertebral (atuando de ambos os lados) e inclinação da coluna e rotação da coluna vertebral (atuando de um só lado)

 

Músculos Multífidos

São músculos profundos localizados nas goteiras paravertebrais que se estendem por toda a coluna vertebral. Alguns m. rotadores tem suas fibras associadas as fibras deste músculo.

Origem: Processos transversos de C3 até a face dorsal do sacro

Inserção: Processos espinhosos de C1 até L5

Inervação: Ramos dorsais dos nervos cervicais, torácicos e lombares

Ação: Extensão da coluna vertebral (atuando de ambos os lados) Inclinação da coluna e rotação da coluna vertebral (atuando de um só lado)

 

Músculo Semiespinhal do Tórax

São músculos potentes, constituídos de muitas fibras longitudinais que acompanham a coluna torácica ao longo do seu maior eixo.

Origem: Processos transversos de T6 a T12

Inserção: Processos espinhosos de T3 a C6

Inervação: Ramos dorsais dos nervos torácicos

Ação: Extensão da coluna vertebral

 

Músculo Semiespinhal do Pescoço

É a continuação do músculo semiespinhal do tórax, porem mais robusto.

Origem: Processos transversos de T1 a T6

Inserção: Processos espinhosos de C2 a C5

Inervação: Ramos dorsais dos nervos cervicais e torácicos

Ação: Extensão da coluna vertebral

 

Músculo Semiespinhal da Cabeça

É um músculo plano intercedido por um tendão dividindo-o em dois ventres. Só é visualizado após dissecção profunda dessa região.

Origem: Processos transversos de C1 a T6

Inserção: Entre as linhas nucais superior e inferior

Inervação: Ramos dorsais dos nervos cervicais

Ação: Extensão da coluna vertebral e da cabeça