Introdução à Artrologia

Artrologia é o capitulo da anatomia que estudas as articulações. Articulação é a união de duas ou mais peças ósseas ou cartilaginosas, por meio de feixes fibrosos ou fibro-cartilaginosos, apresentando ou não movimentos.

Os ossos do corpo humano estão unidos uns aos outros nas mais diferentes partes de suas superfícies e revestidas por tecidos especializados dependendo de suas funções. Quando as articulações são ditas imóveis, como as articulações do crânio, os ossos estão praticamente em contato, sendo separado por apenas uma fina camada de tecido fibroso, chamado de ligamento sutural. Quando as articulações possuem movimento limitado e sofrem grande carga ou força, ossos são revestidos por fibrocartilagens bem resistentes e elásticas para suportar a pressão e amortecer o impacto. No caso das articulações com movimentos amplos, as superfícies articulares estão completamente separadas. As superfícies ósseas são revestidas por cartilagem e a articulação envolvida por uma cápsula fibrosa que mantém o espaço articular preenchido por um líquido lubrificante levemente viscoso (líquido sinovial) responsável, juntamente com a cartilagem, em propiciar um meio com menor atrito possível. As articulações podem ser divididas e classificadas conforme sua estrutura e sua mobilidade. Começaremos os estudos das articulações descrevendo o nome e tipo de movimentos que elas apresentam.


Movimentos

Os movimentos das articulações podem ser divididos em quatro grandes grupos: movimentos deslizantes, movimentos angulares, circundução e rotação. Esses movimentos são combinados na maior parte das vezes, produzindo um infinidade de possibilidades às articulações.

Movimento deslizante – é o tipo mais simples. Uma superfície articular desliza sobre a outra sem nenhuma outra angulação ou rotação. È comum à todas as articulações; mas em algumas, como as articulações do tarso e do carpo, é o único movimento existente.

Movimento angular – ocorre somente entre os ossos longos. Recebe esse nome por altera o ângulo entre ossos, aproximando os ossos quando diminui o ângulo e afastando quando aumenta o ângulo. Esse grande grupo de movimento abrange a extensão, a flexão, a abdução e a adução. Como exemplo de articulações que fazem esses movimentos temos o joelho e o ombro.

Circundução – é o movimento realizado entre a cabeça do osso e uma cavidade articular quando um osso faz um movimento em forma de cone no espaço, sendo a base do cone a parte distal do membro e o ápice do cone a articulação. Os melhores exemplos são o ombro e o quadril.

Rotação – é o movimento no qual o osso se move ao redor de um eixo central sem deslocamento do eixo da articulação. O eixo da rotação pode estar em um osso separado, como no caso do pivô formado pelo processo odontóide do Axis no qual o Atlas gira. O osso também pode girar ao redor do seu próprio eixo como, por exemplo, na rotação do úmero com a cavidade glenóide da escápula.

Ação ligamentar dos músculos – Os movimentos das articulações dos membros estão combinados por meio de longos músculos que passam por mais de uma articulação. Esses músculos quando de contraem ou relaxam agem como verdadeiros elásticos impedindo alguns movimentos das articulações. Assim os músculos do jarrete (músculos posteriores da coxa) previnem a completa flexão do quadril, a não ser que o joelho se flexione, quando ele aproxima as fixações musculares e possibilita um maior grau de flexão do quadril. A função das ações ligamentares dos músculos é:

1º coordenar os tipos de movimentos que são os mais habituais e permitir que sejam executados com o menor gasto de energia.

2º permitir que os músculos curtos, que passam sobre apenas uma articulação, tenham ação em mais de uma articulação.

3º dar as articulações a capacidade de resistir e gerar força nas mais diversas direções.

Todos os movimentos podem ser bem compreendidos observando as figuras que se seguem, a explicação detalhada de cada tipo de movimento é feita após as figuras. É interessante você utilizar seu próprio corpo como modelo. Repita os movimentos que você vê nas figuras, será mais fácil para fixá-los.

4.1 Indroducao1
4.1 Introducao2

Abdução: Movimento que afasta a estrutura anatômica da linha média. Um exemplo simples seria o ato de elevar os braços lateralmente, distanciando-o do tronco.

Adução: Movimento contrario à abdução, ou seja, consiste em aproximar a estrutura anatômica da linha média.

Rotação: Movimento que o osso faz ao girar em torno de um único eixo, sem se mover em nenhum outro. Pode ser lateral, quando a rotação tem sentido de afastar-se da linha média. E pode ser medial, quando a rotação tem sentido à linha média.

4.1 Introducao3
4.1 Introducao4

Circundução: É a combinação dos movimentos de flexão, extensão, abdução e adução.

Flexão: Movimento que diminui o ângulo entre as estruturas que compõem a articulação. Um exemplo bem característico é a flexão do antebraço no cotovelo, movimento que diminui o ângulo entre o braço e o antebraço.

Extensão: Movimento que aumenta o ângulo entre as estruturas que compõem a articulção. Um exemplo para esse movimento seria o ato de “esticar” o joelho, aumentando o ângulo entre o fêmur e a tíbia.

4.1 Introducao5

4.1 Introducao6

4.1 Introducao7

Pronação e Supinação: É um tipo especializado de rotação que ocorre nas mãos. Supinação é a rotação que põem as mãos em posição de súplica, palmas voltadas superiormente. Pronação é a rotação que põem as mãos em posição de benção, palmas voltadas inferiormente.

4.1 Introducao8


Classificação das Articulações

Como já dito anteriormente, podemos classificar as articulações de acordo com a mobilidade, ou seja, com o grau de movimento que ela permite e em relação às estruturas que a compõe.

São três classes:

Classe das sinartroses ou fibrosas

Classe das anfiartroses ou cartilagíneas

Classe das diartroses ou sinoviais


Sinartroses ou Fibrosas

São articulações onde os ossos estão quase que em contato direto, sendo
interpostos apenas por tecido conjuntivo fibroso e onde não há movimento apreciável. Como exemplo temos as articulações dos ossos do crânio (exceção da articulação temporomandibular).

São divididas em três gêneros:

Sindesmose: é uma sinartrose na qual dois ossos são unidos por ligamentos interósseos, como na articulação tibiofibular distal.4.1 Introducao9

Sutura: é a articulação onde as margens dos ossos são unidas por finas camadas de tecido fibroso. Essas articulações só estão presentes no crânio.

Gonfose: é uma sinartrose que se faz entre um processo cônico e uma cavidade, observada na articulação da raiz do dente nos alvéolos da mandíbula e da maxila.


Anfiartroses ou Cartilagíneas

É um tipo de articulação onde as superfícies articulares são unidas por tecido cartilaginoso e permitem apenas diminutos movimentos. São divididas em dois gêneros:

Sincondrose: é uma forma temporária de articulação, que durante o4.1 Introducao10
desenvolvimento sofrem processo de ossificação. São encontradas entre a epífise e a diáfise nos ossos longos das crianças e entre as costelas e as cartilagens costais.

Sínfise: é um tipo de anfiartrose onde as superfícies ósseas estão interpostas por discos fibrocartilaginosos achatados. Encontrada na articulação entre os corpos das vértebras e entre os ossos púbicos, sínfise púbica.

4.1 Introducao11
4.1 Introducao12
Um exemplo de sutura
Um exemplo de sínfise

Diartoses ou Sinoviais

Nessas articulações as superfícies articulares são recobertas por cartilagem articular e unidas por ligamentos. São revestidas por uma cápsula sinovial. Esta cápsula contém internamente uma membrana sinovial que secreta liquido sinovial no espaço articular para lubrificar a articulação e nutrir a cartilagem articular. Este líquido diminui o atrito entre as cartilagens funcionando literalmente como um óleo, sua consistência lembra a consistência do azeite. O espaço articular pode ou não conter discos fibrosos (meniscos) cuja periferia se continua com a cápsula sinovial.

4.1 Introducao13

As diartroses são divididas em gêneros:

Artródia ou Plana: é uniaxial e permite apenas movimento deslizante. Exemplo: entre os ossos do carpo.

Tropóide, trocóide ou pivô: é uniaxial e permite somente o movimento de rotação. Exemplo: articulação rádioulnar e atlantoaxial.

4.1 Introducao14
4.1 Introducao15

Troclear ou gínglimo: é uniaxial. Imita uma dobradiça, onde as superfícies se encaixam com tal. Permitem apenas o movimente de flexão e extensão. Exemplo: articulação úmero ulnar.

Condilar: é biaxial, se faz entre uma superfície oval e uma cavidade elípitica.

4.1 Introducao16
4.1 Introducao19

Selar: é biaxial, é a articulação entre uma face côncava e outra convexa. Exemplo: articulação carpometacarpica do polegar.

Esferóide ou enartrose: é multiaxial, formada pela recepção de uma cabeça globosa em uma cavidade em forma de cálice. Exemplo: escapuloumeral e a coxofemural.

4.1 Introducao18
4.1 Introducao20

Diartroanfiartose

É uma classe única, com características de diartrose (cápsula articular) e de anfiartroses (cartilagem) A única articulação no corpo humano com essas características é a articulação sacro-ilíaca.