4º Semana do Desenvolvimento

Dividimos a quarta semana do desenvolvimento em:

1) Dobramento do Embrião

2) Conclusão da Neurulação

 

Dobramento do Embrião

No começo da 4ª semana, as dobras nos planos mediano e horizontal convertem o disco embrionário achatado em um embrião cilíndrico em forma de “C”. O dobramento ocorre porque a velocidade de crescimento nas laterais do disco embrionário não acompanha o ritmo de crescimento do eixo maior, enquanto o embrião aumenta rapidamente seu comprimento. A formação da cabeça, da cauda e das dobras laterais é uma seqüência contínua de eventos que resulta numa constrição entre o embrião e o saco vitelino.

Nesse período ocorre o dobramento lateral e longitudinal do embrião, levando à formação de pregas laterais que constringem o saco vitelino. A parte do saco vitelino retirada dentro do embrião torna-se o intestino primitivo. O endoderma, que o reveste, origina parte do epitélio e glândulas do trato digestivo. Com a fusão da pregas laterais, o celoma intra-embrionário fica interno ao corpo do embrião e forma as cavidades pericárdica, pleural e peritoneal. Com a flexão ventral da região cefálica, a cabeça embrionária em desenvolvimento incorpora parte do saco vitelino como intestino anterior, futuro intestino. A flexão da região cefálica também resulta na membrana orofaríngea e no posicionamento ventral do coração, além de colocar o encéfalo em formação na parte mais cefálica do embrião.

Na região cefálica, o mesoderma paraxial torna-se parcialmente segmentado gerando os somatômeros, os quais contribuem para formação de parte da musculatura da cabeça. O mesoderma intermediário participará da formação do Sistema Urinário e Reprodutor. Enquanto a região caudal dobra-se ventralmente, uma parte do saco vitelino é incorporada à extremidade caudal do embrião, formando o intestino posterior. A porção terminal do intestino posterior expande-se para constituir a cloaca e após o dobramento a membrana cloacal situa-se posterior à linha primitiva. O dobramento da região caudal também resulta na membrana cloacal, na alantóide (expansão tubular para dentro do embrião importante na formação de vasos umbilicais) e na mudança do pedículo do embrião para a superfície ventral deste. O pedículo do embrião prende-se  a superfície ventral do embrião e a alantóide é parcialmente incorporada pelo embrião. A porção intra-embrionária da alantóide vai do umbigo à bexiga. Com o crescimento da bexiga, a alantóide involui, tornando-se um tubo espesso, que depois do nascimento transforma-se em um cordão fibroso, o ligamento umbilical mediano.

O dobramento do embrião no plano horizontal incorpora parte do saco vitelino como intestino médio. O saco vitelino permanece ligado ao intestino médio por um estreito ducto vitelino. Durante o dobramento no plano horizontal, são formadas as paredes laterais e ventral do corpo. Conforme as pregas laterais migram em sentido ventral ao mesmo tempo com as pregas cefálica e caudal do dobramento longitudinal, o saco amniótico expande-se progressivamente e aumenta consideravelmente sua área até envolver todo o embrião. Quando os dobramentos embrionários cessam, o embrião está revestido por ectoderma cutâneo, que formará a epiderme da pele. Por esse motivo o cordão umbilical tem revestimento epitelial.

Durante a 4ª semana, os somitos diferenciam-se em três regiões: esclerótomo, miótomo e dermátomo, que originarão em cartilagem e osso, músculo e derme respectivamente.

As três camadas germinativas, derivadas da massa celular interna durante a terceira semana, vão dar origem nos vários tecidos e órgãos, de modo que, ao final do período embrionário (4ª à 8ª semana), os primórdios de todos os principais sistemas de órgãos já foram estabelecidos. O aspecto externo do embrião é muito afetado pela formação do encéfalo, coração, fígado, somitos, membros, ouvidos, nariz e olhos. Com o desenvolvimento das estruturas, a aparência do embrião vai-se alterando, e estas peculiaridades caracterizam o embrião como humano.

Como os primórdios de todas as estruturas internas e externas essenciais são formados durante o período embrionário, a fase compreendida entre a quarta e a oitava semanas constitui o período mais crítico do desenvolvimento. Distúrbios do desenvolvimento neste período podem originar grandes malformações congênitas do embrião.